Tartarugas do Tabuleiro do Embaubal iniciam processo de desova

(Fotos: Jhonatan Souza/SEMAT)

Foi constatado o início do processo de desova das “Tartarugas da Amazônia”, do Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Tabuleiro do Embaubal. A atividade foi detectada por membros da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo (SEMAT) do município de Senador José Porfírio, que trabalha em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do estado do Pará (Ideflor-bio), gestor da Unidade de Conservação.

O Refúgio de Vida Silvestre (Revis) tem como objetivo proteger ambientes naturais onde se asseguram condições para a existência ou reprodução de espécies ou comunidades da flora local e da fauna residente ou migratória. A visitação pública está sujeita às normas e restrições estabelecidas no Plano de Manejo da unidade, às normas estabelecidas pelo órgão responsável por sua administração, e àquelas previstas em regulamento. A pesquisa científica depende de autorização prévia do órgão responsável pela administração da unidade e está sujeita às condições e restrições por este estabelecidas, bem como àquelas previstas em regulamento.

Expedição
Com o apoio do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), da SEMAT/Senador José Porfírio e da SEMAS, a Gerência da Região Administrativa do Xingu, da Diretoria e Gestão e Monitoramento das Unidades de Conservação (GRX/DGMUC/Ideflor-bio) percorreu este mês toda a área da Unidade de Conservação, reforçando o trabalho de fiscalização e monitoramento no período de desova e eclosão dos ovos da tartaruga.

Conselho Gestor
A equipe do Instituto também realizou um trabalho de sensibilização com os moradores, através de esclarecimentos sobre os objetivos da criação da Unidade de Conservação. A meta é que no mês de outubro já seja iniciado o processo de formação do Conselho Gestor do REVIS Tabuleiro do Embaubal, com planejamento participativo.

✎Texto: Denise Silva / Ascom Ideflor-bio


GALERIA DE FOTOS:
img-20160928-wa0034img-20160928-wa0033img-20160928-wa0035img-20160928-wa0036 img-20160928-wa0037

Comentários(2)

  1. Sara Cavalcanti diz

    Gostaria de saber órgão responsável pela REVIS Tabuleiro do Embaubal, e qual Bioma predominante da UC? Obrigada.

    • Denise Silva diz

      Boa tarde, Sara,

      O Refúgio de Vida Silvestre (REVIS) Tabuleiro do Embaubal é de esfera Estadual e gerida pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio). Criada através do decreto nº 1.566 de 17 de junho de 2016, possui área de 4.033,94 hectares e está localizado no município de Senador José Porfírio, distante aproximadamente 906 km da cidade de Belém.

      Segue mais informações sobre a UC:

      Descrição da vegetação:
      A vegetação desta região é caracterizada pela Floresta Ombrófila Densa Aluvial (Varzea), Floresta Ombrófila Densa das Terras Baixas, Formação Pioneira + Floresta Ombrófila Densa e Floresta ombrófila aberta submontana.

      No baixo Xingu bem como no médio Xingu há presença de vegetação de elevado valor comercial como: Voucapua americana (acapu) e a Bowdichia nítida (sucupira). Além dessas espécies, são encontradas espécies de grande interesse para a conservação da flora, tais como Dicypellium caryophyllatum (Pau Cravo), espécie da família Lauraceae, Sagotia brachysepala (arataciú), pertencente a família Euforbiaceae, a Bertholletia excelsa (castanheira) e a Hevea brasiliensis
      (seringueira).

      A região Leste do baixo Rio Xingu apresenta uma vegetação mais rasteira de gramíneas e ciperáceas que se desenvolvem em depósitos aluvionares inconsolidados. São caracterizadas como vegetação de primeira ocupação que ocorre ao longo do litoral, bem como nas planícies fluviais e ao redor das depressões aluviais (pântanos, lagunas e lagoas), a qual ocupa os solos ribeirinhos aluviais e lacustres.
      Floresta Ombrófila Densa das Terras Baixas: Essa vegetação apresenta um abaixa ocorrência dentro do REVIS Tabuleiro do Embaubal.

      Floresta ombrófila aberta submontana: Apresenta ocorrência a margem da área da unidade de conservação representada pelas palmeiras, cipó, sororoca e o bambu.

      Espécie endêmica da fauna:
      Tucunaré-do-xingu (Cichla melaniae), Arraia-negra (Potamotrigon leopoldi), Acari-zebra (Hypancistrus zebra) e Pacu-Capivara (Ossubtus Xinguense).

      Descrição do relevo:
      A forma de relevo está inserida no Planalto Rebaixado da Amazônia onde ocorrem as Planícies Fluviais do Rio Xingu.

      Descrição da geologia:
      Nesta área ocorrem coberturas superficiais cenozóicas, depósitos aluvionares: areia, pelitos e cascalhos de depósitos fluviais recentes. Os sedimentos inconsolidados cenozóicos constituem-se de depósitos aluvionares inconsolidados (areias, siltes, argilas e localmente bancos de cascalheiras). Estão presentes ao longo do Rio Xingu e afluentes, representados por aluviões e nas encostas, por coluviões.

      O contato com os depósitos quaternários é abrupto, em que tais sedimentos são cobertos por sedimentos finos e bem consolidados.
      Essa formação possui duas sequências deposicionais: uma inferior, caracterizada por sedimentos terrígenos de sistemas fluviais meandrantes que evoluíram para anastomosados com retrabalhamento eólico e outra superior (Cenomaniano) constituída por ciclos progradacionais flúvio-deltáicos-lacustres.

      Descrição da hidrologia:
      O sistema hídrico tem o Rio Xingu como o mais importante componente na manutenção de vida do meio aquático e da população local. Dentre esses ambientes, o Lago Cajuí também possui um papel de destaque uma vez que sua importância no contexto ecológico é das mais relevantes, abrigando e alimentando uma vasta quantidade de espécies animais e servindo como fonte de subsistência a várias famílias existentes nas suas imediações, principalmente àquelas residentes na Comunidade Vila Nova.

      Pluviosidade:
      O regime pluviométrico é definido por duas estações do ano, sendo que o período mais chuvoso vai de janeiro a junho, com temperatura média em torno de 26,5°C, e o menos chuvoso de agosto a dezembro, quando ocorrem as mais altas temperaturas (média de 32°C). 1.680 mm anuais.

      Temperatura máxima:
      40º C

      Temperatura média:
      32º C

      Temperatura mínima:
      26,5ºc

      Altitude máxima:
      > 100 m

      Altitude mínima:
      30 m

      Clima:
      Ocorrem no Município, os climas equatoriais Am e Aw, da classificação de Köppen.

Comentários estão desabilitados para este artigo.