Ideflor-bio participa de manifestação cultural do povo Indígena Tembé

Tendo em vista o registro audiovisual da mais importante manifestação cultural do povo indígena Tembé, habitante da Terra Indígena Alto Rio Guamá, localizada no município de Paragominas, a Diretoria de Gestão da Biodiversidade/Gerência de Sociobiodiversidade, do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio) participou, neste último final de semana de mais uma edição da “Festa da Menina Moça”, que aconteceu na Aldeia Tekohaw, às margens do Rio Gurupi, divisa do Estado do Pará com o Maranhão.

A tradicional festa mantém vivo o ritual de passagem das meninas e meninos para mais uma etapa de suas vidas, o mundo adulto e de responsabilidade, levando esse povo a reafirmar, com beleza e alegria, suas tradições culturais relacionadas à intensidade das relações que os indígenas desta etnia tem com os elementos da biodiversidade florestal.

A festa consiste em sete dias de cantos, danças tradicionais e outras manifestações da prática cultural e religiosa dos Tembé, reunindo indígenas das aldeias próximas e de aldeias de outras terras indígenas do Maranhão, que foram convidadas para celebrar a “formação” dos meninos e meninas na vida adulta.

A Gerência de Sobiodiversidade, do Ideflor-bio, tem o papel de realizar ações e projetos que venham ao encontro da conservação conjunta da diversidade biológica e cultural do estado. A festa é um momento marcante e celebração da cultura Tenetehara, que em vista às pressões a ameaças de seu território florestado, têm conseguido superar as adversidades e reafirmar, de forma marcante, sua condição étnica por meio desta manifestação cultural.

Os Tembé são atendidos pelo Ideflor-bio em projetos de Gestão Ambiental e Territorial da Terra Indígena Alto Rio Guamá, uma vez que suas terras florestadas estão agindo como refúgios da maioria das espécies ameaçadas de extinção no Pará, por estarem localizadas no Centro de Endemismo de Espécies Belém, uma dos mais ameaçados de toda a Amazônia.

Os índios por ocasião da festa mais uma vez denunciaram a grave situação da extração ilegal de madeira que vem ocorrendo a décadas na Terra Indígena Alto Rio Guamá (TIARG), principalmente na região do Rio Gurupi. A extração ilegal de madeiras é uma das maiores ameaças a diversidade biológica e cultural na região. As denúncias serão encaminhadas pela Gerência aos órgãos responsáveis pela proteção ambiental e territorial da Terra Indígena.

Em novembro deste ano, a Gerência também irá lançar e entregar aos Tembé dois livros resultantes dos trabalhos de Diagnóstico Etnoambiental Participativo e Etnozoneamento da Tembé da TIARG, desenvolvidos ao logo do ano de 2014.

✎Texto: Denise Silva / Ascom Ideflor-bio


GALERIA DE FOTOS:
_mg_0470 _mg_0374 01 _mg_0386 _mg_0496
_mg_9760 _mg_9764 04 05 07

 

Comentários estão desabilitados.