Viveiros para produção de mudas serão instalados em assentamentos do MST

No mês de setembro, o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), através da Diretoria de Desenvolvimento da Cadeia Florestal (DDF), que coordena a execução de projetos de produção e de restauração florestal, iniciará uma atividade de montagem e instalação de 7 viveiros de produção de mudas, em diferentes municípios, sendo 6 deles voltados para Projetos de Assentamento (PA) ligados ao Movimento Sem Terra (MST).

O viveiro de produção de mudas é uma área ou superfície de terreno, com características próprias, destinada a produção, ao manejo e a proteção das mudas até que tenham idade e tamanho suficientes para serem transplantadas no local definitivo, resistindo às condições adversas do local de crescimento e apresentar um bom desenvolvimento.

Os projetos de assentamento do MST que receberão os viveiros (todos de tamanho 12 x 12) são o PA Abril vermelho, no município de Santa Bárbara; PA Mártires de Abril, em Mosqueiro; PA Ólga Benário, em Acará; PA João Batista, em Castanhal; PA Luis Carlos Prestes, em Irituia; e PA Carlos Lamarca, no município de Capitão Poço.

O único viveiro que não será voltado para membros do MST, será instalado na região do Abacatal, no Sítio Bom Jesus, propriedade de produtores participantes do Projeto Agrovárzea, desenvolvido pela Gerência da Região Administrativa de Belém (GRB/Ideflor-bio), que incentiva a sustentabilidade e uma produção sem o uso de agrotóxicos. Localizado no município de Ananindeua, entre os limites do Parque Estadual do Utinga e Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia, dentro da Área de Proteção Ambiental (APA) Belém, a propriedade recebe práticas com vistas à difusão de conceitos capazes de induzir o desenvolvimento de estratégia produtiva adaptada às condições particulares de cada propriedade.

Com o apoio da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (SEDAP), todos os municípios já receberam o material para instalação dos viveiros de produção de mudas, que serão montados com a ajuda das comunidades locais. O trabalho é uma continuidade de projetos anteriores, sendo também o cumprimento de pautas solicitadas pelo MST ao Governo do Estado.

Além do material para a montagem dos viveiros, também foi entregue, no PA Paulo Fonteles, em Mosqueiro, 19 bags de fibra de coco, 20 sacas de palha de arroz carbonizada, 1 saca de torta de mamona (adubo), 9,5 kg de osmocote (fertilizante), 9,5 kg de yoorin (fertilizante) e 19 kg de farinha de osso (fertilizante). Com este material, será possível encher cerca de 14 mil tubetes de 280 ml ou 38 mil tubetes de 180 ml, dando assim continuidade ao projeto, em viveiros implantados anteriormente no local.

✎Texto: Denise Silva / Ascom Ideflor-bio


GALERIA DE FOTOS:

Comentários estão desabilitados.