Filhotes de tracajá são soltos no Parque Estadual do Utinga

Na noite de quinta feira, 28, fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará Ideflor-bio) realizaram a soltura de 150 filhotes de tracajá (uma espécie de quelônio), no Lago Água Preta, do Parque Estadual do Utinga.

As espécies são excedentes de um zoológico de São Francisco do Canindé, no interior do Ceará, e foram trazidas pela médica veterinária do IBAMA, Christina Wippich Whiteman. Em época de reprodução da espécie, os casos de excedentes são comuns, sendo a soltura o melhor procedimento, desde que aconteça em locais adequados para os animais.

O tracajá é uma espécie de cágado comum na Amazônia. Seus filhotes são muito delicados e pequenos ao nascerem, por isso a enorme preocupação de órgãos de conservação e proteção com os locais de desova.

De acordo com Júlio Meyer, Gerente da Região Administrativa de Belém (GRB/Ideflor-bio), historicamente, o Parque do Utinga sempre foi um lugar apropriado para soltura de animais, tendo uma população abundante de biodiversidade. Atualmente este trabalho vem sendo feito com um maior controle do órgão. “Temos que ter este controle, verificar se os animais estão aptos para a soltura, fazer a análise sanitária necessária, para que se certifique de que estão adequados para serem soltos no Parque.”, contou.

Ainda segundo o Gerente, as espécies passaram por uma inspeção sanitária antes de chegar a Belém e realizaram exames para detectar a presença de salmonela (doença que pode ser transmitida aos seres humanos), com resultado negativo, estando aptas para a soltura na área.

✎Texto: Denise Silva / Ascom Ideflor-bio


GALERIA DE FOTOS:

Comentários estão desabilitados.