Agentes Ambientais Comunitários são capacitados nas Flotas de Faro e Trombetas

52 agentes ambientais comunitários (AACS) foram capacitados, nos últimos anos, para atuarem na região das Florestas Estaduais (Flotas) de Faro e de Trombetas, na Calha Norte do rio Amazonas. As capacitações, que tiveram início em 2014, são realizadas pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biovidersidade (Ideflor-bio) e pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazom), os quais formarão, até o final de julho, mais 48 agentes residentes nas comunidades do interior e circundantes das duas florestas estaduais.

O objetivo dos cursos é capacitar os comunitários pare que trabalhem ativamente na preservação do ambiente local e no desenvolvimento de atividades de monitoramento ambiental e da biodiversidade.

“Queremos que os comunitários se apropriem das questões ambientais da região, sejam sensibilizados para a importância da preservação da floresta em pé e dos rios, e se tornem agentes multiplicadores de boas práticas ambientais. Eles serão um ‘braço’ do Ideflor-bio na região, auxiliando a zelar pela natureza e prezar pelo bem estar das populações que habitam a área”, explica Socorro Almeida, técnica da Região Administrativa da Calha Norte II do Ideflor-bio.

A capacitação dos agentes ambientais comunitários acontece em três turmas. Uma nas comunidades do Português e Monte Sião, na Flota de Faro; uma na comunidade do Ariramba, localizada no município de Óbidos; e outra em Oriximiná, que contempla diversas comunidades da Flota de Trombetas.

A turma da Flota de Faro foi composta por 23 agentes ambientais que já estão atuando na área, monitorando os lagos da Unidade de Conservação. Já as turmas de Óbidos e Oriximiná serão graduadas no final deste mês.

“Em Óbidos são 12 agentes, todos jovens moradores do rio Ariramba. Em Oriximiná, formaremos 36 agentes de várias comunidades do município, comunidades que sofrem com a prática de crimes ambientais, principalmente a caça do tracajá e outros quelônios e a captura de ovos para a venda no mercado ilegal”, assevera Socorro Almeida.

As três turmas do curso receberam formação sobre temas como legislação e educação ambiental, mediação de conflitos, desmatamento e queimadas, geotecnologias e uso de GPS, e, em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar do Pará, sobrevivência na selva e noções de primeiros socorros.

Os agentes ambientais comunitários formados pelo Programa atuarão nas Flotas de Faro e Trombetas, a partir de um Plano de Trabalho criado pelo Ideflor-bio e pelo Imazon. Entre as atividades previstas no plano estão o monitoramento dos lagos e rios das duas Flotas e também das trilhas florestais das áreas.

Texto: Dilermando Gadelha – Assessoria de Comunicação do Ideflor-bio

Comentários estão desabilitados.