Ideflor-bio realiza capacitação de montagem de viveiros e produção de mudas

O Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), juntamente com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) realizou  do dia 29/02 ao dia 04/03 uma  capacitação  de montagem  de viveiros e  produção de mudas frutíferas e florestais, no município de Bragança. O curso, que foi ministrado por técnicos da DDF (Diretoria de Desenvolvimento da Cadeia Florestal) do Instituto, objetivou capacitar os técnicos que irão montar viveiros em suas áreas de origem.

Durante os 5 dias de curso, técnicos da DGMUC (Diretoria de Gestão e Monitoramento das Unidades de Conservação) e da DGBIO (Diretoria de Gestão da Biodiversidade), do Ideflor-bio, aproveitaram  os  ensinamentos  e  a  vivência  da  DDF  para  poder  replicá-los  na  gestão  de  Unidades  de  Conservação, em especial as  Gerências do  Araguaia, Belém, Calha Norte I, Calha Norte II, Calha Norte III, Marajó, Nordeste, Tucuruí  e  Xingu. O curso teve um enfoque prático, possibilitando aos participantes aprender todo passo a passo da técnica de montagem de viveiros, os insumos utilizados na formulação e preparo do substrato que será utilizado na produção de mudas em tubetes e em saco plástico.

A DDF coordena  a  execução  de  projetos  de  produção  e de  restauração  florestal, com  base em Sistemas Agroflorestais – SAFs comerciais, para fins de recuperação  de  áreas  alteradas, promoção  de  incremento  econômico, consolidação  de  práticas  sustentáveis  de  uso e de aproveitamento dos recursos naturais, contribuindo  com  a  redução  da  pressão  do desmatamento  sobre  as  áreas  de  floresta  e  com  a  redução  do passivo ambiental em áreas de agricultores familiares.

Entre as estratégias de ação para implantação dos projetos desenvolvidos pela DDF, destaca-se a etapa de capacitação de técnicos e agricultores. Cerca de 40 alunos, entre técnicos do Ideflor-Bio, Emater-PA, INCRA e instituições parceiras, com destaque para as Prefeituras de São Miguel do Guamá, Santarém e Capanema participaram da capacitação, que contou com o apoio institucional da Emater-Pará, SEDAP (Secretaria Estadual de Desenvolvimento Agropecuário e de Pesca) e EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária).

IMG-20160307-WA0033Segundo  Benito  Calzavara, da DDF – Diretoria de Desenvolvimento Florestal, a capacitação veio para nivelar o conhecimento prático dos técnicos  capacitados. “Queremos  manter  um  padrão  de  práticas de  campo do  Ideflor-Bio para montagem desses viveiros. Com essa orientação,  até  o  final  de  junho  deste  ano  68  viveiros  já  terão  sido montados nas Unidades de Conservação.”, explica o diretor.

Os viveiros florestais são os locais nos quais são produzidas mudas de  plantas, e  que  reúnem  todas  as  condições necessárias para o desenvolvimento  delas.  As  plantas  que  ali  estão  em  fase  inicial de desenvolvimento, geralmente  são  de  espécies nativas da região onde  se  encontra  instalado  o  viveiro,  e  o  destino  destas plantas em grande  parte  são para  o  reflorestamento – para  recomposição  da  mata ciliar, de áreas degradadas, entre outros.

Pra atender às necessidades das plantas nativas, os viveiros ao serem instalados devem reproduzir as condições naturais das plantas, o que envolve diversos fatores. Além  das  condições  originárias  da  mata  nativa, deve-se  atentar para a condição  de  fragilidade  das  mudas no início de seu desenvolvimento, que requerem cuidados especiais.


Texto: Denise Silva / Ascom Ideflor-bio

Comentários(2)

  1. Comunidade 19 de abril diz

    Gostaríamos de saber, como termos ajuda para fazer Viveiro de Mudas, Nos temos mudas de Pau Amarelo e Rocho, queremos aumentar de 1.000, para 5.000 mudas, só que precisamnos de ajuda com os Materiais. Como Podem nos ajudar?

  2. NonatoFreitas diz

    Esta capacitação é de grande importância a todos que fazem parte deste grande programa de revitalização de áreas alteradas.

Comentários estão desabilitados para este artigo.