Ideflor inicia nova etapa de projeto de implantação de Sistemas Agroflorestais

A Diretoria de Desenvolvimento Florestal (DDF) do Instituto  de  Desenvolvimento  Florestal  e  da  Biodiversidade  do  Estado  do Pará (Ideflor-bio), iniciou esta semana, no município de Bonito, mais  uma  etapa  dos  projetos  de implantação de Sistemas Agroflorestais, utilizados para recuperação de áreas degradadas, diminuição do passivo ambiental e incentivo à produção de mudas para incrementar a renda dos trabalhadores rurais da comunidade.

Os projetos vão garantir a construção de viveiros de mudas com irrigação, no padrão  do  Ideflor-bio, além de oferecer treinamento para o manejo do mesmo. A equipe já esteve no município do Acará, no período de 11 a 15 de abril, construindo, juntamente com a comunidade diretamente beneficiada, um  viveiro  para  cerca de 60 mil mudas.

Os viveiros florestais são os locais nos quais são produzidas mudas de  plantas e que reúnem todas as condições necessárias para o desenvolvimento delas. As plantas geralmente são de espécies nativas da região onde se encontra instalado o viveiro e o destino destas plantas em grande parte é o reflorestamento, para recomposição da mata ciliar, de áreas degradadas, entre outros.

Para atender às necessidades das plantas nativas, os viveiros, ao serem instalados, devem reproduzir o  ambiente  natural  das plantas, o que envolve diversos fatores. Além das condições originárias da mata nativa, deve-se  atentar  para  a  condição  de  fragilidade  das  mudas  no  início de seu desenvolvimento, que requerem cuidados especiais.

Para Benito Calzavara, diretor da DDF, com a montagem e instalação dos viveiros florestais comunitários, os produtores terão uma melhor infraestrutura, o que facilitará,  assim,  a  logística,  produção  e  integração  junto  às  atividades  do  projeto. “Essa  ação  proporciona  um nivelamento técnico sobre a instalação, hasteamento e costura adequada para viveiro florestal, tanto para comunidade quanto para os técnicos envolvidos”, explica.

A DDF coordena a execução de projetos de produção e de restauração florestal, com base em Sistemas Agroflorestais comerciais, para fins de recuperação de áreas alteradas, promoção de incremento econômico, consolidação  de  práticas  sustentáveis  de uso e de aproveitamento dos recursos naturais, contribuindo para a redução da pressão do desmatamento sobre as áreas de floresta e para a redução do passivo ambiental em áreas de agricultores familiares.

O projeto de implantação se estenderá até o final de junho deste ano e ainda passará pelos municípios de Ulianópolis, Dom Eliseu, Mosqueiro, Paragominas, Peixe-Boi e São Miguel.


Texto: Denise Silva / Ascom Ideflor-bio

Comentários estão desabilitados.