Iniciativa promove reintegração de Ave em extinção nas Unidades de Conservação

Especialistas na conservação da espécie e com experiência em programas de reintrodução de aves,de São Paulo, da Fundação Lymington, estiveram no Revis Metrópole da Amazônia e Parque Estadual do Utinga, nesta terça-feira, 14, para uma visita de campo, acompanhados por uma equipe do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio).

Durante a visita, o Diretor e Presidente da Fundação Lymington, William Wittkoff e Linda Wittkoff e o Médico Veterinário Andre Saidenberg, fizeram o reconhecimento das áreas para a construção de viveiros para a espécie “Ararajuba”, uma ave de médio porte, que encontra-se na categoria de vulnerável na lista nacional de animais ameaçados de extinção. O projeto realizará a soltura e reintrodução da espécie nas Unidades de Conservação da Região Metropolitana de Belém, abrigando-as assim em seu habitat natural.

Com a realização do reconhecimento do local, se certifica das condições para que se possa respeitar rigorosamente a distribuição geográfica histórica e exigências ambientais dos indivíduos a serem liberados, priorizando sempre o bem estar dos animais assim como devolver a estes, a chance de cumprirem o importante papel que têm na manutenção do equilíbrio ecológico, através de populações viáveis.

Segundo Crisomar Lobato, Diretor de Gestão da Biodiversidade/Ideflor-Bio, “As aves serão soltas nas Unidades de Conservação Estaduais de Proteção Integral da Região Metropolitana de Belém, sendo que no Parque Estadual do Utinga serão montados os viveiros, além de toda uma infraestrutura de adaptação para as aves”, contou.

“Para que a reintrodução aconteça, devemos determinar as estratégias de soltura, como a adaptação das espécies ao ambiente, treinamento comportamental, número de indivíduos, viveiros de reabilitação e escolhas de melhor pareamento genético em cativeiro para aumento da população”, explicou Nívia Pereira, Gerente de Biodiversidade do Ideflor-bio.

As Unidades de conservação são criadas para frear a destruição, com a finalidade de dar  proteção aos animais remanescentes no ambiente natural, ajudando assim na recuperação e preservação de espécies altamente ameaçadas para que posteriormente possam retornar ao seu habitat.

Texto: Denise Silva / Ascom Ideflor-bio


GALERIA DE FOTOS:
ararajuba02

 

Comentario(1)

  1. Sotero Greco diz

    Parabéns ao IDEFLOR-BIO e aos demais envolvidos neste importantíssimo passo dentro da Biologia da Conservação!!!
    Att.
    Sotero José Greco Guimarães
    Coord. Pesquisa e Proteção à Biodiversidade-IEF/MG
    Regional Centro-Oeste

Comentários estão desabilitados para este artigo.