Projeto Agrovarzea define novas estratégias e ações de implementação para comunidades

Vinte e cinco membros das comunidades do Combu, Sítio Bom Jesus, Abacatal, Santo Amaro e Ponta Negra participaram nesta quarta-feira, 10, de mais um encontro do “Projeto AgroVárzea”, com a realização de uma oficina de planejamento que objetivou a definição das capacitações e ações que serão realizadas pelo grupo, como parte do processo de implementação do projeto.

Implantado pela Gerência da Região Administrativa de Belém (GRB), do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), o “Projeto AgroVárzea” incentiva a Agricultura Familiar e o Turismo Rural, com a diversificação da produção das comunidades de populações tradicionais que estão dentro  e  no  entorno  das  Unidades de Conservação (UC)  próximas  à  Belém, visando construir Unidades de Referência Tecnológicas (URT) nas comunidades, priorizando as espécies  nativas  de interesse da população local, além de buscar resultados positivos relacionados tanto ao aspecto ambiental, quanto ao aspecto social, econômico dentro das UC’s.

Durante a oficina foram discutidas as 3 linhas de ações do projeto – capacitação em manejo sustentável de sistemas de produção, turismo rural e venda direta – buscando soluções para as problemáticas de cada comunidade, definindo assim as ações a serem desenvolvidas com os participantes. A segunda etapa da oficina será realizada no dia 18 de agosto.

A Agricultura Familiar consiste em uma forma de organização social, cultural, econômica e ambiental, na qual são trabalhadas atividades agropecuárias de base familiar, desenvolvidas em estabelecimento rural ou em áreas comunitárias próximas, gerenciadas por uma família com predominância de mão de obra familiar e que apresenta papel relevante para o desenvolvimento na região, juntamente com a prática do Turismo Rural, que possui caráter transversal, dinâmico e global do turismo, capaz de impactar as várias dimensões que afetam os processos de desenvolvimento de setores, atividades e territórios.

De acordo com Júlio Meyer, Diretor da GRB/Ideflor-bio, o Turismo Rural oferece a necessidade que o produtor tem de diversificar sua fonte de renda e de agregar valor aos seus produtos. “O Projeto Agrovárzea fortalece a agricultura familiar e o turismo rural, que já conquistaram um grande espaço neste âmbito. Desta forma os moradores urbanos reencontram suas raízes, convivendo com a natureza, os modos de vida, tradições, costumes e com as formas de produção das populações do interior.”, explicou.

Entre outros exemplos que podem estar diretamente relacionados ao Turismo Rural, estão a melhoria e garantia da qualidade de produtos e serviços oferecidos, a preservação dos espaços verdes e das características regionais, a organização do turismo segundo os elementos estruturais da região, a oferta de comércio e serviços, entre outros.

Segundo Yasmin Alves, Turismóloga do Ideflor-bio, atualmente o Turismo Rural funciona como um dínamo na regionalização do turismo. “Além de valorizar a cultura rural, a prática diversifica a economia regional, diversifica a  oferta turística, gera novas oportunidades de trabalho, além de agregar valor ao produto primário por meio da verticalização da produção.”, finalizou.

✎Texto: Denise Silva / Ascom Ideflor-bio


GALERIA DE FOTOS:
02 03 04
05 06 07

Comentários estão desabilitados.