Educação Ambiental alcança mais de 2700 pessoas no Marajó, em 2018

2700 crianças, jovens e adultos participaram de ações de Educação Ambiental realizadas na região do Parque Estadual Charapucu, no Marajó, ao longo de 2018. As ações, coordenadas pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-bio), ocorreram em 15 escolas localizadas em 12 comunidades das zonas rural e urbana de Afuá, além de um bairro periférico do município.

As ações são parte do projeto “Educação Ambiental no Parque Estadual Charapucu: Conscientizar para Conservar”, realizado em parceria com a ONG Missão de Assistência ao Cuidador (MAC). Para Amanda Quaresma, gerente da Região Administrativa do Marajó e servidora do Ideflor-bio, as ações buscam despertar a atenção dos habitantes de Afuá para as peculiaridades socioambientais do município.

“O objetivo das nossas atividades ao longo desse ano foi desenvolver ações e práticas de conscientização que visassem a Educação Ambiental de maneira ampliada e singular às características das sociedades ribeirinhas marajoaras dessa região”, conta.

A Educação Ambiental aconteceu de forma lúdica e pedagógica, com teatro de fantoches, jogos de tabuleiro, cinema, quebra-cabeças, jogos de mesa, dinâmicas em grupo e gincanas que aliavam as práticas escolares com as noções de cuidado ao meio ambiente do Parque Estadual Charapucu. Além disso, crianças, jovens e adultos também participaram de palestras sobre temas diversos, que foram desde a sustentabilidade até a prevenção da violência e uso de entorpecentes.

De forma mais prática, ocorreu a doação de sementes, mudas e insumos para as escolas, que foram plantadas e usados em hortas suspensas. “Nós buscamos incentivar os alunos a replicar as técnicas de produção e plantio de mudas em suas casas e comunidades”, acrescenta Amanda Quaresma, que é engenheira florestal.

As ações alcançaram jovens entre quatro e 18 anos, em turmas de ensino fundamental I e II nas escolas da zona rural de Afuá, crianças na idade pré-escolar e estudantes do ensino médio das escolas da zona urbana, além de adultos, incluindo funcionários das próprias escolas e pais de alunos que interagiram durante as dinâmicas.

Dentre as comunidades atendidas estão a Nova Aliança, Nossa Senhora de Fátima, Jupati, Bom Jardim, Novo Progresso, São José, Panacalhau, São Sebastião, Macedônia, Nossa Senhora de Nazaré, situadas na chamada Ilha Grande do Charapucu, onde está localizado o Parque. O bairro Capim Marinho, localizado na periferia de Afuá, também participou da Educação Ambiental.

“Com a realização desta agenda, nós pudemos estreitar o diálogo com as comunidades e efetivar uma gestão mais participativa das Unidades de Conservação marajoaras, ampliando e fortalecendo parcerias institucionais, além de construir um cenário futuro direcionado à conscientização e educação ambiental. Espera-se que os envolvidos consigam desenvolver uma visão crítica em relação ao meio ambiente e uma posição de ação e mudança frente à sua escola/comunidade/bairro, além de proporcionar a conservação a longo prazo dos ecossistemas naturais e a manutenção dos serviços ambientais protegidos pela criação do Parque”, explica Amanda Quaresma.

Outros parceiros das ações foram Batalhão de Polícia Ambiental/Comando de Policiamento Especializado, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis do Amapá (IBAMA/AP,) e da Secretaria Municipal de Educação de Afuá (Semed).

Parque Estadual Charupucu – É uma Unidade de Conservação estadual de proteção integral. A UC possui aproximadamente 65 mil hectares e é lar de diversas riquezas naturais, como rios de água branca e de água preta, além de espécies de animais e plantas raros na região amazônica, como a ucuúba vermelha, a onça-pintada e o peixe-boi. O Parque, localizado integralmente em Afuá e circundado pela Área de Proteção Ambiental Marajó, abriga ainda mais de 100 famílias que vivem do constante contato com a natureza.

Texto: Dilermando Gadelha – Assessoria de Comunicação do Ideflor-bio

Comentários estão desabilitados.