Gerência Administrativa do Marajó faz balanço de ações dos meses de março e abril

Nos meses de março e abril deste ano, a Gerência Administrativa da Região do Marajó (GRM), vinculada à Diretoria de Gestão e Monitoramento de Unidades de Conservação da Natureza (DGMUC), realizou o trabalho de resgate e soltura de animais no arquipélago do Marajó. A primeira ação ocorreu no dia 13 de março, quando uma Arara Canindé (Ara Ararauna) foi resgatada às margens do Rio Charapucu, situado no município de Afuá, após atividade de Manejo de Açaizais no entorno do Parque Estadual Charapucu – PEC.

Arara Canindé. Créditos: Clarissa Rodrigues

Um morador que criava a arara solta doou o animal voluntariamente à bióloga da GRM, Clarissa Miranda, que o encaminhou ao Centro de Triagem de Animais Silvestres do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis no Amapá (CETAS – Ibama/AP). A Arara Canindé é uma ave comum na região, podendo ser encontrada em outras regiões do Brasil e países da América Latina. “Resgatar um animal silvestre de forma voluntária garante a preservação da fauna em unidades de conservação e no entorno”, pondera a bióloga do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Pará (Ideflor-Bio).

A segunda ação ocorreu em 21 de abril passado quando a Gerência do Marajó recebeu uma jiboia, réptil da família boidae, do Corpo de Bombeiros de Afuá. O animal foi encontrado enrolado nos altos de uma casa e capturado pelos militares. A bióloga Clarissa Miranda prestou os cuidados necessários e realizou a soltura do animal nas proximidades do Parque Estadual Charapucu.

TARTARUGA – Também no município de Afuá mais de 5 mil Tartarugas da Amazônia (Podocnemis expansa) foram soltas na Ilha dos Camaleões. Realizado em 27 de abril passado, a ação da GRM contou com a participação de mais de 600 pessoas. A soltura encerrou o ciclo que será retomado em novembro/dezembro deste ano, quando as tartarugas adultas retornam para desovar novamente na ilha.

PQA – O Programa Quelônios da Amazônia,(PQA), no município de Afuá, é executado pelo Ibama nacionalmente com apoio de parceiros locais. Ao longo de 35 anos de execução do Programa, mais de 65 milhões de quelônios foram manejados e soltos em estados das regiões Norte e Centro-Oeste do Brasil. As principais espécies do Programa são a Tartaruga-da-Amazônia (Podocnemis expansa) e o tracajá da Amazônia (P. unifilis).

GRM – A Gerência Administrativa do Marajó (GRM) é responsável pela administração da APA Arquipélago do Marajó. Com a finalidade de sensibilizar os alunos que vivem na área do Parque Estadual Charapucu e entorno, localizado no município de Afuá, a GRM organizou, juntamente com a Escola Estadual Carlos Rodrigues da comunidade Nova Aliança, uma série de atividades pedagógicas voltadas à educação ambiental que resultaram em selecionar, os alunos mais interessados na temática “Meio Ambiente”. Após a seleção, seis estudantes participaram da atividade de soltura. As crianças eram as mais animadas em ajudar os filhotes que se deslocavam em direção ao rio.

O Refúgio de Vida Silvestre (REVIS) Tabuleiro do Embaubal, administrado pela Gerência Administrativa do Xingu (GRX), constitui a maior área de desova no Estado. Durante o monitoramento da Tartaruga da Amazônia no Pará observou-se que parte dos espécimes que migram para região do Arquipélago do Marajó são oriundas do Tabuleiro. As tartarugas transitam dentro e fora da área do Parque Estadual Charapucu para se alimentar e reproduzir. Em seguida, desovam na Ilha do Camaleão e retornam para o REVIS.

Texto: Pryscila Soares – Assessoria de Comunicação do Ideflor-Bio.

Fotos: Gerência Administrativa do Marajó (GRM).

Comentários estão desabilitados.