Curuçá aprova criação de três Unidades de Conservação municipais

Situado no nordeste paraense, o município de Curuçá aprovou a criação de três Unidades de Conservação da Natureza municipais, mediante o apoio técnico do Governo do Estado, através do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio). Com isso, a prefeitura local e o governo irão garantir a preservação do Lago Rio Quente, do igarapé Rancho Fundo, das nascentes, manguezais e espécies da fauna e flora da região.

A implementação dessas UCs tem o importante papel de evitar a degradação dos ecossistemas, assim como possibilitar a geração de renda com a visitação pública através do ecoturismo e o Turismo de Base Comunitária – TBC. Dentre os benefícios da iniciativa para o município estão a valorização da cultura e turismo local, o fortalecimento do desenvolvimento sustentável da região, investimentos governamentais e privados, além da contribuição para o equilíbrio climático.

A criação das UCs municipais foi aprovada durante uma consulta pública, realizada no município no último dia 22, com a participação de moradores, organizações da sociedade civil, ambientalistas e profissionais de diversas áreas. O evento foi promovido pela Prefeitura de Curuçá, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, sob a coordenação do Ideflor-Bio.

Representantes do Ideflor-Bio, Prefeitura de Curuçá e comunitários.

PROJETO – Presidente do Ideflor-Bio, Karla Bengtson ressaltou que, por meio da Diretoria de Gestão da Biodiversidade (DGBio), o Instituto desenvolve o “Projeto de Apoio à Criação de Unidades de Conservação da Natureza Municipais”, que surgiu a partir da solicitação dos municípios. É o caso do município de Curuçá, que necessita preservar a rica biodiversidade que abriga.

“Fomos ao local, fizemos levantamento do meio biológico, físico e das condições socioeconômicas, culturais e fundiárias. Essas três unidades de conservação municipais vão formar um pequeno mosaico que, juntamente com a Reserva Extrativista Mãe Grande, formam um grande complexo de áreas protegidas naquele município”, pontua a presidente.

Reconhecimento de área. Ao centro, diretor de Gestão da Biodiversidade do Ideflor-Bio, Crisomar Lobato.

O Ideflor-Bio já apoiou a criação de UCs municipais em Juruti, Capanema, Castanhal e Redenção. Atualmente está prestando apoio técnico em Curuçá, Abaetetuba e São João de Pirabas. O trabalho começa com o reconhecimento da área a ser protegida. Em seguida, são promovidas oficinas para realizar estudos biológicos, socioeconômicos e fundiários. Posteriormente, é realizada uma consulta pública, com objetivo de informar e aprovar a criação das UCs.

ÁREAS PROTEGIDAS – As três Unidades de Conservação municipais possuem uma área total de 360.06 hectares. Estão divididas nas categorias de Área de Proteção Ambiental (APA Membeca/Valério), com 249,70 hectares; Parque Natural Municipal Lago Rio Quente, com 38,35 hectares; e Refúgio de Vida Silvestre (REVIS), localizado no Rancho Fundo com uma área de 72 hectares. “A criação dessas unidades de conservação municipais são importantes para que os municipios contribuam, também, com o Governo do Estado e com o Governo Federal na preservação da biodiversidade e no uso sustentável dos recursos naturais”, sintetiza o diretor de Gestão da Biodiversidade do Ideflor-Bio, Crisomar Lobato.

Lago Rio Quente.

“Precisamos preserva-las para que, no futuro, possamos usurfruir do que estará conservado. Gostaria de agradecer ao governo do Estado que, através do Ideflor-Bio, e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, fizeram um estudo para que chegássemos à conclusão da criação das unidades de conservação”, reforça o secretário municipal de Meio Ambiente de Curuçá, Guilherme Melo.

Texto: Pryscila Soares – Assessoria de Comunicação do Ideflor-Bio.

Fotos: Divulgação/Ideflor-Bio

Comentários estão desabilitados.