Manejo florestal é tema de seminário no Ideflor-Bio

O Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio), por meio da Diretoria de Gestão da Biodiversidade (DGBio), realizou na última terça-feira (24), das 9h às 17h, no auditório-sede, o seminário “Manejo Florestal Comunitário e Gestão de Florestas Públicas: oportunidade de geração de trabalho, emprego e renda para o Estado do Pará”.

O evento reuniu segmentos da sociedade, ligados à temática, como representantes de instituições de ensino e pesquisa, acadêmicos, empresas, organizações não-governamentais, Ministério Público do Estado (MPE), representantes de indígenas, quilombolas e de reservas extrativistas.

Um dos objetivos do evento foi dar transparência e conhecimento à sociedade sobre a minuta da Política Estadual de Manejo Florestal Comunitário e Familiar do Pará, conforme explicou o diretor de Gestão da Biodiversidade do Ideflor-Bio, Crisomar Lobato. O Ideflor-Bio, juntamente com seus parceiros, como o Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB) e o Instituto Floresta Tropical (IFT) e demais instituições públicas e privadas, vêm discutindo desde 2012 a construção da minuta, apresentada durante o seminário.

Ao longo deste período, reuniões de consulta pública em Belém, Santarém, Marajó e em outras regiões do Estado, viabilizaram contribuições da sociedade paraense para a elaboração do texto que foi encaminhado este ano para análise da Procuradoria Geral do Estado (PGE). Na prática, a Política Estadual de Manejo Florestal, Comunitário e Familiar é o instrumento que regulamentará e norteará o manejo florestal e de produtos florestais, tendo em vista que muitas comunidades utilizam os produtos florestais, frutos, flores, látex, resina e outros, como fonte de renda.

“A minuta tem o intuito de assegurar direitos dos povos e comunidades acerca de temas como o fortalecimento das cadeias produtivas, da regularização fundiária e ambiental para o manejo das florestas, melhorando a qualidade de vida nas áreas”, reforçou Crisomar Lobato, acrescentando que a implementação da política pública possibilitará a criação de programas e projetos para o segmento.

Crisomar Lobato, diretor de Gestão da Biodiversidade.

Na abertura do seminário, a presidente do Ideflor-Bio, Karla Bengtson, ressaltou que o Instituto possui um grande desafio que é gerir as 26 Unidades de Conservação (UCs) do Estado do Pará, incluindo as Florestas Estaduais (Flotas). “São 7,5 milhões de hectares distribuídos em quatro florestas estaduais que estão sob a nossa responsabilidade, sendo as Flotas do Paru, Faro, Iriri e Trombetas. Essa temática tem sido amplamente discutida e essas contribuições geraram uma minuta que hoje se encontra em análise na PGE”, pontuou a presidente.

Programação – No período da manhã, o evento contou com palestras ministradas por representantes do IEB e IFT, apresentações feitas por diretores do Ideflor-Bio, além de relatos de comunitários que residem em reservas extrativistas federais. Já no período da tarde foi realizada a Mesa Redonda: Oportunidades do Manejo Florestal Sustentável no Pará, com a participação de representantes do MPE, da Embrapa Amazônia Oriental, do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), da Associação das Indústrias Exportadoras de Madeiras do Pará (Aimex), além da empresa Unifloresta.

Palestra do IEB.

Palestrante do evento, o assistente de projetos do IEB, Marcos Silva, abordou “O papel do Manejo Florestal Comunitário e Familiar na geração de renda e conservação ambiental das florestas públicas e comunitárias no Pará”. Ele explicou que a Instituição atua na agenda socioambiental, especialmente no manejo florestal comunitário. “Nosso trabalho consiste basicamente no fortalecimento organizacional das comunidades, em especial aquelas que detém um grande potencial de florestas para fazer a gestão e o uso sustentável desses recursos, gerando emprego, renda e, acima de tudo, valorizando a posse desses territórios sob a gestão e controle das comunidades”, frisou.

Texto: Pryscila Soares – Assessoria de Comunicação do Ideflor-Bio.

Fotos: Ascom/Ideflor-Bio

Comentario(1)

  1. Mariza Santos diz

    Bom dia!

    Gostaríamos de participar de eventos realizados por este Instituto

Comentários estão desabilitados para este artigo.