Ideflor-bio promove palestras sobre Sistemas Agroflorestais

O desenvolvimento e produtividade de espécies frutíferas e florestais em Sistemas Agroflorestais (SAF) foi temática de palestras realizadas na manhã de ontem (25), no auditório do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), no bairro do Curió-Utinga, em Belém. O evento foi promovido pela Diretoria de Desenvolvimento da Cadeia Florestal (DDF), vinculada ao Instituto, e teve como palestrantes especialistas da Embrapa Amazônia Oriental, sediada em Belém, e da Embrapa Florestas, de Curitiba – Paraná.

Servidores do Ideflor-bio e da Embrapa assistiram às ministrações. A “Influência das espécies florestais sobre as frutíferas em Sistemas Agroflorestais” foi o assunto da palestra ministrada pelo dr. Rafael Moyses, da Embrapa Amazônia Oriental. O palestrante faz uma análise sobre a interação de três espécies presentes nos SAFs: mogno africano com cupuaçuzeiro; taperebá com cupuaçuzeiro e mogno brasileiro com cupuaçuzeiro.

Na ocasião, o especialista demonstrou os resultados de pesquisas que a Embrapa desenvolve em parceria com alguns produtores do município de Tomé Açu, no nordeste paraense. Segundo Rafael, o objetivo foi mostrar a interferência dessas três espécies na produtividade do cupuaçuzeiro e na própria taxa de sobrevivência, abordando a importância da escolha de espécies e da seleção de sementes que vão formar o SAF. “Vários fatores interferem nessa relação da espécie florestal com as espécies companheiras. A questão é que muitas vezes essa é uma influência biológica, mas ela não compromete o sistema como um todo, visto que o que interessa para o produtor é o resultado financeiro final”, ponderou.

De acordo com Rafael Moyses, é muito mais interessante para o produtor ter diferentes espécies cultivadas em uma mesma área. “Assim eles terão um retorno de diferentes fontes, uma melhor proteção do solo, ou seja, muitas vantagens para o pequeno produtor com a utilização de SAFs”, esclareceu.

Já o palestrante dr. Marcelo Francia, da Embrapa Florestas, falou sobre “Como otimizar o desenvolvimento e a produtividade de espécies frutíferas e florestais em Sistemas Agroflorestais”. Na ocasião, ele explicou que, para promover o desenvolvimento dessas espécies, se faz necessário analisar o ambiente, fatores de radiação, temperatura, características da fertilidade do solo e fatores climáticos e edáficos, associados ao comportamento do crescimento das plantas no aspecto fisiológico.

“É possível observar nas plantas a otimização da fotossíntese, a redução da foto respiração e entender a utilidade dos nutrientes cedidos pela planta tornando-a mais eficiente”, disse o especialista, ao acrescentar que com essa relação “é possível melhorar a qualidade dos produtos que temos interesse, resultando na otimização da mão de obra com todas as práticas de manejo, e também na economia de custos”, concluiu.

Comentários estão desabilitados.