Operação integrada do Governo do Estado combate crimes ambientais no sudeste paraense

Em operação de fiscalização ambiental integrada, o Governo do Pará, por meio do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), Polícia Militar e Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) apreendeu 10 armas de fogo, 95 munições de diversos calibres, além de 11 artefatos de caça e carnes de animais no município de Goianésia, no sudeste paraense. Um grupo de quatro pessoas foi flagrado na noite de ontem (25) fazendo uma excursão de caça na cidade.

As pessoas foram apreendidas e encaminhadas à delegacia da cidade. Eles devem responder civil e administrativamente pelo crime, uma vez que a caça é proibida no Brasil. Os órgãos estaduais atuam com a fiscalização por terra e pelos rios na Região do Mosaico Lago de Tucuruí, em parceria com secretarias municipais de meio ambiente dos municípios abrangidos pela Unidade de Conservação (UC), gerida pelo Ideflor-bio.

Materiais apreendidos na operação em Goianésia, sudeste paraense.

Período de defeso – As apreensões resultam do trabalho de fiscalização do período de defeso do pescado, que iniciou em 1º de novembro e vai permanecer até o dia 28 de fevereiro de 2020, na Bacia do Rio Tocantins/Gurupi, sendo regulamentado pela Instrução Normativa Interministerial N° 13, de 25 de outubro de 2011.

Pescado – Até ontem (25) foram apreendidos 1.871 quilos de peixes de espécies distintas na região, onde estão localizadas a Área de Proteção Ambiental (APA) Lago de Tucuruí, e as Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Alcobaça e Pucuruí Ararão.

“Estamos em operação por conta do período de defeso, o que caracteriza o período de reprodução do pescado. A pesca e a comercialização são totalmente proibidas. O objetivo é garantir a reprodução e manutenção dos estoques pesqueiros, tudo respaldado nas legislações ambientais federal e estadual”, ponderou a gerente do Mosaico Lago de Tucuruí, do Ideflor-bio, Mariana Bogéa.

Além do pescado, a operação apreendeu apetrechos de pesca proibidos como 9.750 metros de rede de malhadeiras, 1 tarrafa, 9 piabeiras, 5 arpões, 4 motores rabeta, 1 balança, 3 pássaros, armas de fogo e caça. Foram tirados de circulação sete espingardas calibre 20 e outras duas calibres 36 e 28, um rifle 38, 2 facões, 11 artefatos de caça – conhecidos com bufete – e 95 munições de diversos calibres.

Carne de caça apreendida.

Doação – Durante uma ação realizada na madrugada de sábado (23), no porto do Km 11, foram apreendidos o total de 1.171 quilos de pescado, 239 deles de peixe inteiro, in natura. O produto foi doado para associações dos bairros Sapolândia e Nova Conquista, em Tucuruí. Segundo agentes fiscais da Semas, foi abordado no porto um vendedor de peixe filetado, que possuía documento para estocagem, mas durante a atividade de fiscalização foi percebido que ele também vendia peixe in natura, capturado ilegalmente, dentro do período de defeso do pescado na região.

Os profissionais encontraram ainda uma outra quantidade de peixe no porto fiscalizado, mas não foi possível identificar os infratores. Nessa ação duas pessoas foram responsabilizadas pelos delitos: o que tinha os peixes filetado e in natura e outro flagrado chegando ao porto com pescado inteiro, capturado de forma ilegal, proibido por lei.

Texto: Pryscila Soares – Assessoria de Comunicação do Ideflor-bio

Fotos: Divulgação/Ideflor-bio

Comentários estão desabilitados.