Servidores do Ideflor-bio são empossados no Conselho Estadual de Política Indigenista

Representando o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), a gerente de Sócio-Biodiversidade (GSBio), Jocilete Ribeiro, e o diretor de Gestão da Biodiversidade (DGBio), Crisomar Lobato, foram empossados na manhã da última segunda-feira (11) como titular e suplente, respectivamente, do Conselho Estadual de Política Indigenista do Estado do Pará (CONSEPI/Pa). O objetivo é promover políticas públicas, tendo a participação dos povos indígenas, nas mais diversas frentes, como saúde, educação e meio ambiente.

O conselho foi instituído oficialmente pelo Governador do Estado, Helder Barbalho, em cerimônia realizada no Museu Paraense Emílio Goeldi, que iniciou com a interpretação do hino nacional pelo indígena Mocuca Kayapó, na língua Kayapó. Participaram do evento cerca de 20 indígenas das etnias kaiapó, tembé e mundurucu, vindos de diversas regiões do Pará, além de autoridades e titulares de órgãos e secretarias estaduais.

Membro titular do Conselho, Jocilete Ribeiro ressaltou que a representação do Ideflor-bio neste comitê é de suma importância, uma vez que o órgão promove ações no âmbito de meio ambiente, visando dar cumprimento à Lei de nº 8.096, de 01/01/2015, onde no capítulo II, inciso XIX, dispõe de “apoiar a implementação da Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas (PNGATI), por meio de parcerias, com as ações de proteção, recuperação, conservação e o uso sustentável dos recursos naturais do territórios indígenas”.

“O Ideflor-bio possui em sua estrutura uma Gerência de Sócio-Biodiversidade que tem por objetivo trabalhar em conjunto com os indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais nas questões relacionadas ao uso sustentável da floresta, proteção e valorização da biodiversidade”, ponderou Jocilete Ribeiro.

Sustentabilidade – Suplente no conselho, o diretor Crisomar Lobato destacou que a competência técnica do Instituto é de apoiar a PNGATI e, para isso, o órgão desenvolve programas e projetos com o intuito de promover o uso sustentável dos recursos naturais para o desenvolvimento das populações indígenas.

“Temos trabalhos de recuperação de áreas alteradas na terra indígena Alto Rio Guamá e temos também trabalhos relacionados à produção de artesanato indígena na Calha Norte, na terra indígena Nhamundá-Mapuera. É preciso haver esse equilíbrio: manter a floresta em pé, gerando emprego e renda, melhorando a qualidade de vida desses povos”, exemplificou.

A presidente do Ideflor-bio, Karla Bengtson, com o diretor Crisomar Lobato e indígenas membros do Conselho.

Presente no evento, a presidente do Ideflor-bio, Karla Bengtson, ressaltou que a instituição do Conselho demonstra o compromisso que o Governo do Estado assumiu de governar para todos. “É um grande passo porque o conselho tem a representatividade não só dos órgãos de governo, mas acima de tudo tem a participação efetiva dos representantes dos povos indígenas para a construção de políticas que venham ao encontro das necessidades deles, respeitando a sua cultura e diversidade”, pontuou a gestora.

Texto: Pryscila Soares – Assessoria de Comunicação do Ideflor-bio (com informações da Agência Pará)

Foto de capa: Marco Santos/Agência Pará

Comentários estão desabilitados.