Curuçá terá o primeiro mosaico de Unidades de Conservação municipais

A Prefeitura de Curuçá, no nordeste paraense, homologou a criação de três Unidades de Conservação municipais, com a assinatura do Decreto de n° 082, de 12 de dezembro de 2019, pelo prefeito Jeferson Miranda. Os estudos técnicos biológicos, físicos, socioeconômicos-culturais e fundiários das áreas, assim como toda a documentação legal, foram elaborados pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), por meio da Gerência de Gestão da Biodiversidade (DGBio), que desenvolve o “Projeto de Apoio à Criação de Unidades de Conservação da Natureza Municipais”.

A equipe técnica do Ideflor-bio, composta pelo diretor de Gestão da Biodiversidade, Crisomar Lobato, e a gerente de Sociobiodiversidade, Jocilete Ribeiro, oficializou a entrega da minuta de decreto, dos estudos, relatório de consulta pública e toda documentação necessária na quinta-feira (12), ao prefeito da cidade, na sede da prefeitura local.

Primeiro Mosaico – Com a homologação, o município criará o Parque Natural Municipal Lago Rio Quente, o Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Rancho Fundo e a Área de Proteção Ambiental (APA) Membeca/Valério. Será o primeiro mosaico de UC municipais do Estado do Pará, abrangendo uma área de 360 hectares. Será de extrema relevância para o município, uma vez que a área é ecologicamente importante para a região, destacou o diretor Crisomar Lobato.

Segundo ele, durante o levantamento técnico foi identificado que as áreas, dentro do território municipal, têm vocação natural e socioeconômica para a criação de Unidades de Conservação. “Lá encontramos um lago que é muito interessante, profundo e muito rico em fauna aquática e beleza cênica, o ‘Lago Rio Quente’, que também possui vocação para o ecoturismo”, explicou o gestor, acrescentando que no Parque Natural Municipal poderão ser promovidas atividades de educação ambiental, pesquisas e, principalmente, o ecoturismo e a visitação pública.

Lago Rio Quente.

A criação das UC será também uma forma de proteger espécies ameaçadas de extinção, segundo informou o diretor. “Já no Rancho Fundo encontramos espécies ameaçadas de extinção e que ainda podem ser preservadas. No entorno dessas duas unidades de proteção integral estão as comunidades Membeca e Valério, que se mostram interessadas em proteger essas áreas”, ressaltou Crisomar.

Sustentabilidade – Classificada na categoria de uso sustentável, na APA Membeca/Valério será possível desenvolver diversas ações voltadas à educação ambiental, bem como projetos de agro-floricultura e de desenvolvimento sustentável da fauna e flora da região. “A implementação dessas UC tem o importante papel de evitar a degradação dos ecossistemas, além de possibilitar a geração de renda com a visitação pública através do turismo ambiental, melhorando a qualidade de vida das comunidades”, ponderou a presidente do Ideflor-bio, Karla Bengtson.

Com a parceria firmada entre a prefeitura local e o Governo do Estado, por meio do Ideflor-bio, a iniciativa vai garantir a preservação dos ecossistemas, nascentes, manguezais e espécies da fauna e flora. “O Ideflor-bio acompanhará todo o processo de criação dessas UC, além de continuar prestando apoio técnico no planejamento das ações nas áreas protegidas, em parceria com o município”, acrescentou a gestora. Dentre os benefícios da iniciativa estão a valorização da cultura e turismo local, o fortalecimento do desenvolvimento sustentável da região, investimentos governamentais e privados, além da contribuição para o equilíbrio climático.

A criação das UC foi aprovada durante uma consulta pública, realizada no município de Curuçá em 22 de agosto deste ano. O evento foi promovido pela Prefeitura de Curuçá, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, sob a coordenação da Diretoria de Gestão da Biodiversidade do Ideflor-Bio, tendo a participação de moradores, organizações da sociedade civil, ambientalistas e profissionais de diversas áreas.

Reconhecimento de área em Curuçá. Ao centro, o diretor de Gestão da Biodiversidade do Ideflor-bio, Crisomar Lobato.

Etapas do projeto – Desenvolvido pelo Ideflor-bio, o “Projeto de Apoio à Criação de Unidades de Conservação da Natureza Municipais” surgiu a partir da solicitação dos municípios. O Instituto já apoiou a criação de UCs municipais em Juruti, Capanema, Castanhal e Redenção. Atualmente está prestando apoio técnico na criação das UC em Curuçá, Abaetetuba e São João de Pirabas. O trabalho consiste em fazer o reconhecimento da área. Em seguida, são feitos estudos biológicos, socioeconômicos e fundiários. Posteriormente, é realizada uma consulta pública, com a participação da sociedade em geral.

As três Unidades de Conservação municipais possuem uma área total de 360.06 hectares. Estão divididas nas categorias de Área de Proteção Ambiental (APA Membeca/Valério), com 249,70 hectares; Parque Natural Municipal Lago Rio Quente, com 38,35 hectares; e Refúgio de Vida Silvestre (REVIS), localizado no Rancho Fundo com uma área de 72 hectares. Juntamente com a Reserva Extrativista Mãe Grande, as UC formam um grande complexo de áreas protegidas naquele município.

Texto: Pryscila Soares – Assessoria de Comunicação do Ideflor-bio.

Fotos: Divulgação/Ideflor-bio.

Comentários estão desabilitados.