Conselhos Gestores da APA Ilha do Combu e Revis Metrópole da Amazônia são nomeados

Representantes do poder público e da sociedade civil foram empossados como membros dos Conselhos Gestores da Área de Proteção Ambiental – APA Ilha do Combu e do Refúgio de Vida Silvestre (Revis) – Metrópole da Amazônia, situados na Região Metropolitana de Belém. Realizada pela Gerência da Região Administrativa de Belém (GRB) do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), a cerimônia de posse ocorreu no último dia 11, no auditório do Parque Estadual do Utinga Camillo Vianna, em Belém.

O Conselho do Revis Metrópole da Amazônia é formado por 23 instituições, sendo 12 representantes do poder público e 11 da sociedade civil. Ao todo, são 46 conselheiros, entre titulares e suplentes, sendo nomeados para exercerem o mandato no biênio 2020/2022. Já o Conselho Gestor da APA Ilha do Combu é formado por 18 instituições, sendo 9 representando o poder público e 9 da sociedade civil, totalizando 36 conselheiros, entre titulares e suplentes. Os conselheiros foram nomeados para exercerem o mandato no biênio 2019/2021.

Dentre os conselheiros da APA Ilha do Combu está o morador Jairo Oliveira. Ele destaca que a parceria estabelecida com o Ideflor-bio é de suma importância, uma vez que promove o conhecimento técnico sobre o trabalho realizado na região. “Estamos iniciando um trabalho novo, sabendo que a área onde atuamos é muito carente, que necessita de um manejo adequado”, ponderou.

Atuando no Conselho do Revis desde 2013, a comerciante Nilse Rodrigues, 71, ressaltou que os moradores da Região Metropolitana de Belém, na área abrangida pela UC compreendida pelos municípios de Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides e Santa Isabel do Pará, passaram a ter mais cuidado com a Unidade de Conservação, a partir do trabalho de conscientização ambiental. “O Ideflor-bio capacitou os moradores para que pudessem cuidar da UC. Por exemplo, o Projeto Agrovárzea gera emprego e renda, através do uso sustentável dos recursos naturais”, disse Nilse. “O próximo desafio é implementar o ecoturismo e, para isso, tem de haver o interesse do morador, porque é geração de renda para a comunidade”, acrescentou.

Unidades de Conservação – A APA Ilha do Combu foi criada pela Lei Estadual nº 6.083 de 13/11/1997. É a quarta maior ilha do município de Belém. Com uma área de 15,972 km², apresenta ecossistema típico de várzea de grande beleza cênica, com paisagem florestal exuberante, formada por um mosaico peculiar de espécies florestais, além de seus cursos d’água, como os rios Bijogó, Guamá e Acará, o furo da Paciência e os igarapés do Combu e do Piriquitaquara. A população vive basicamente da pesca e do extrativismo dos recursos da floresta, sobretudo o açaí, que pode ser encontrado por toda a ilha.

Já o Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Metrópole da Amazônia foi criado através do Decreto nº 2.211 de 30/03/2010. Sua área de 6.367.27 hectares abrange 6,3% da área total de quatro municípios: Ananindeua, Benevides, Marituba e Santa Isabel do Pará. O Revis tem como principal objetivo proteger recursos naturais, além da manutenção dos serviços ambientais, garantir os processos ecológicos naturais e de conservar parte dos 31% restantes de florestas primárias da RMB, confirmando seu grande destaque para conservação ambiental no Estado. As UCs estão entre as 26 Unidades de Conservação estaduais geridas pelo Ideflor-bio.

Texto: Pryscila Soares – Assessoria de Comunicação do Ideflor-bio.

Comentários estão desabilitados.