Programa Territórios Sustentáveis promove qualificação em sistemas agroflorestais

Na quarta fase do Programa Territórios Sustentáveis, agricultores familiares da comunidade Xadá, na Área de Proteção Ambiental (APA) Triunfo do Xingu, que abrange os municípios de São Félix do Xingu e Altamira, participam de qualificações para implantação de sistemas agroflorestais (SAF’s) promovidas pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio) e Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap).

A oficina de implantação de SAF’s Cacau iniciou nesta terça-feira (20) e foi dividida em um momento teórico e outro prático. Em seguida, os produtores participarão de uma exposição de tecnologias sustentáveis e um seminário. “O Ideflor-Bio entra na etapa do TS após a identificação do passivo ambiental da propriedade, com a proposta da recomposição daquele passivo ambiental com a metodologia do Prosaf, a implantação de SAF ‘s comerciais para a recomposição de reserva legal e APP (Áreas de Preservação Permanentes). Então se o produtor resolve recompor a sua área, fazer o pagamento ambiental por meio de sistemas agroflorestais o Ideflor-Bio juntamente com a Sedap, vão fomentar essa propriedade para que seja recuperado aquele passivo com a tecnologia dos SAF’s”, explica Keylah Regina Borges, gerente da unidade regional de Marabá do Ideflor-Bio.

A recuperação florestal produtiva considera um conjunto de estratégias eleitas que vão desde a seleção e cadastro dos produtores; apresentação do projeto; implantação dos viveiros nas comunidades; as capacitações tanto de preparo de substrato como da produção de mudas e também em sistemas agroflorestais. “Estamos apresentando o novo instrumento capaz de oferecer a esses agricultores a diversificação da base produtiva, oportunizando que eles tenham renda distribuída ao longo do ano e não somente advinda de uma única atividade. Então, do início das atividades até o plantio dos sistemas agroflorestais, esses agricultores passarão por todo um processo de capacitação”, frisou Kleber Perotes, diretor de Desenvolvimento da Cadeia Florestal (DDF) Ideflor-Bio e engenheiro agrônomo.

Cerca de 10 profissionais estão envolvidos no trabalho, que deve alcançar os demais municípios listados na fase, ao longo da PA-279, de São Félix do Xingu até Água Azul do Norte. “Vamos beneficiar um hectare por propriedade, ou seja, eles irão também receber a área mecanizada, uma tonelada de calcário e ao final o plantio de seu arranjo agroflorestal na sua propriedade. É importante registrar que esse conjunto de estratégias eleitas é que vai se configurar na recomposição florestal produtiva na unidade familiar”, acrescentou Kleber.

A Política de Atuação Integrada de Territórios Sustentáveis (TS) foi instituída pelo decreto 344/2019, com o objetivo de ser o instrumento de contribuição para os compromissos globais de desenvolvimento sustentável, as Contribuições Nacionais Determinadas (NDCs) e de alcance dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável em âmbito estadual. Onze órgãos do governo estadual integram o Programa Territórios Sustentáveis (PTS), aliado a mais nove instituições públicas e de pesquisa, organizações não governamentais (ONGs) e setor produtivo. Com o objetivo de promover o desenvolvimento econômico e social, por meio da mudança de cultura produtiva com zonas livres de desmatamento ilegal, o TS é um dos pilares do Plano Estadual Amazônia Agora, estratégia que alia o crescimento econômico à preservação da floresta.

Texto: Dayane Baía (SECOM)

Comentários estão desabilitados.