Utinga e IDEFLOR-Bio fazem campanha para cumprimento dos protocolos de saúde

Pedido é para que os frequentadores evitem os horários de pico, e que estejam sempre atentos às medidas de proteção contra o novo coronavírus

O Parque Estadual do Utinga Camillo Vianna e o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-bio) lançaram uma campanha de conscientização voltada para os frequentadores do espaço. O objetivo é que evitem visitar o local nos horários de pico, e que estejam sempre atentos aos protocolos de segurança e combate ao novo coronavírus dentro e fora do Parque.

Desde a reabertura, em 19 de agosto de 2020, diversas medidas preventivas foram implementadas no Parque, adotando as orientações da Organização Mundial da Saúde e dos decretos estaduais e municipais vigentes, que tratam do combate à pandemia. A obrigatoriedade do uso de máscara, utilização do álcool em gel, medição de temperatura no momento da entrada, distanciamento social e a utilização de cartazes com as orientações devidas à prevenção da covid-19 são alguns exemplos, assim como a contagem de acesso do número de visitantes, que pode chegar até 50% da capacidade.

Todas as medidas são necessárias, por isso a administração do Parque faz um apelo para que os frequentadores também façam parte das ações de combate à Covid-19. “Para que não haja transtornos na entrada, é de extrema importância que as pessoas que decidirem aguardar para entrar, em decorrência do controle de público, tão necessário à contenção da disseminação da Covid-19, mantenham o distanciamento social e utilizem máscara”, orienta Edelber Santos, gerente do Parque do Utinga.

“Aos domingos pela manhã e feriados, temos recebido uma grande demanda de visitantes, excedendo a atual capacidade determinada pelos decretos. Por isso, precisamos fechar o acesso ao local, até que um número considerável de frequentadores saia, para então liberar a entrada de quem está aguardando. Pedimos a compreensão do público de que esse processo por diversas vezes pode demorar, devido a extensão do Parque, já que o passeio dura em média 1h30m”, esclarece Edelber Santos.

O gerente reforça ainda que a equipe técnica continua com o foco em proporcionar a melhor experiência aos frequentadores do espaço, sempre com responsabilidade e priorizando a saúde pública. “Nossos colaboradores estão preparados para receber os visitantes com muito profissionalismo e cordialidade. Eles recebem treinamentos qualificadores e palestras para que estejam sempre mais conscientes da importância de suas funções, e para que inspirem o público a tomar cuidado e obedecer as medidas de segurança”, acrescenta Edelber.

Segundo o presidente da O.S. Pará 2000, Antônio Sobrinho, o parque é uma das melhores opções de lazer ao ar livre e, por isso, é tão procurado, mas frisa a necessidade de obedecer os protocolos de segurança.

“A riqueza de árvores e animais tornam o parque um dos pontos turísticos ideais para quem gosta atividades, como caminhada, andar de bicicleta, respirar um ar puro e apreciar um belo espaço natural. Porém, para que continuemos a manter o espaço em funcionamento de maneira estável, devemos seguir com rigidez os protocolos de segurança e os decretos do governo tanto na área interna, quanto externa”, comenta o presidente da O.S. Pará 2000.

Rômulo Rodovalho, secretário de Saúde do Estado, orienta que, para que todos possam apreciar o local e realizar seus exercícios e caminhadas com segurança, é preciso obedecer os protocolos. Ele também pede que as pessoas experimentem visitar o local fora dos horários de pico. “A principal recomendação que a Sespa faz nesse momento é que você não deixe de fazer atividades físicas, mas prefira horários alternativos pra evitar aglomerações. Evite horários de pico, faça exercícios de preferência sozinho e não esqueça de levar álcool em gel e usar máscara”, destaca o secretário.

Ivan Santos, do IDEFLOR-Bio, destaca que “estamos falando de uma sala de aula a céu aberto, de uma Unidade de Conservação, e precisamos estar atentos a qualquer atitude negativa, para que não possamos influenciar de alguma maneira o restante dos usuários. “Com isso, contamos com os visitantes, frequentadores do Parque aos sábados e domingos, para que possam respeitar as regras de segurança e possibilitar uma experiência saudável a todos dentro da nossa Unidade de Conservação”, propõe.

Serviço:

O horário de funcionamento do Parque permanece das 6 às 17h, todos os dias, exceto às terças-feiras, quando o espaço fecha para manutenção. Os horários de menor fluxo de pessoas são das 6 às 8h e das 12h às 17h.

Texto: Fernanda Scaramuzini (Pará 2000)
Fotos: Uchoa Silva

Comentários estão desabilitados.